2020 – Mais um ano para planejar e correr atrás!!!!

Fot: Arquivo Pessoal 2011 primeiro 10 km

Encerrei 2019 com saldo positivo: fiz duas provas importantes do calendário mundial de ultramaratona e conclui ambas com êxito.

Em janeiro fiz a BR135, prova seletiva para a Badwater desde que concluída em tempo não superior a 48 horas, meu objetivo. Fui além e consegui o segundo lugar feminino, terminando em 40 horas.

Em julho fui para os EUA correr a Badwater, depois de me candidatar e passar pelo duríssimo processo de inscrição, não bastasse, tinha ainda vários outros obstáculos a superar, tais como idioma, temperatura e o ambiente extremo do deserto. O plano era concluir em até 40 horas e fiz em 39 horas e 30 minutos.

Sonhos que se tornaram realidade, mas não foi apenas um sonho sonhado, houve planejamento e uma rotina intensa de treinos, que me deixaram fortes mental e fisicamente para terminar o ano com esses dois bons resultados e sem qualquer lesão.

Quando eu comecei a correr provas longas não sabia bem como funcionava, achava que bastava fazer a inscrição. Assim eu fui para a UAI 95 km em 2016, onde pude perceber que tudo é mais complexo do que parece e que somente com planejamento, quilometragem e mais experiência eu poderia chegar a provas internacionais.

Embora as ultramaratonas nacionais sejam, na sua maioria, bem organizadas, recebendo inclusive estrangeiros, o grau de exigência que vemos nas internacionais é bem maior.

Cada corrida tem suas regras e você deve comprovar que tem capacidade para participar. Isso pode ser através de pontuação + sorteio (caso da UTMB Ultra Trail du Mont Blanc – Alpes atravessando a França, Itália e Suíça); ou através de provas seletivas, que te qualificam para desafios maiores (BR135 e Badwater, como fiz); ou com índice, em que você deve comprovar que concluiu determinada distância em determinado tempo (Spartathlon na Grécia e das “Marathons Majors” – Chicago, Londres, Boston, Nova York, Berlim e Tóquio).

Então, nada mais natural que num começo de ano como este, muitos ultramaratonistas estejam planejando qual sua prova alvo, a de maior importância pessoal e de quais outras corridas deverá participar para se qualificar e atingir seu objetivo.

Da mesma forma, os corredores de rua estão escolhendo suas maratonas, meia maratonas ou então as corrida ideais para atingir o melhor tempo nos 5km ou 10 km.

Eu só comecei a correr com 37 anos, na escola nunca me destaquei nas modalidades esportivas padrão. Acredito que não tenha biotipo diferenciado, embora o chassi de grilo com as canelas finas tenham me ajudando muito até hoje.

A corrida é uma metáfora perfeita para nossa vida, evoluímos através das experiências vividas, corrigindo aqui e ali, buscando atingir nossa meta. Alguns têm uma predisposição natural para a prática e atingem melhores resultados, outros chegam lá com muito treino e persistência.

Estela Vaz
Ultramaratonista amadora
2019 – finisher Badwater 135 – EUA
2019 – finisher BR 135 – Brasil
2018, 2017, 2016 – finisher UAI Ultramaratona dos Anjos Internacional – Brasil
Contato: estela-vaz@hotmail.com
instagram @vaz.estela

Publicidade

3 Comentários

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.