24 anos sem Ayrton Senna.

Já se passaram 24 anos de sua morte, de um dos maiores ídolos da história de nosso país. Ayrton Senna morreu na curva da Tamburello em Ímola na Itália, no dia 1º de maio de 1994, no dia do trabalho e fazendo a coisa que mais gostava, dar alegrias para todos nós. Ayrton Senna passou direto, a 300 quilômetros por hora, e espatifou-se no muro de concreto, com sua Williams. À 1h40 da tarde, hora do Brasil, um boletim médico do hospital Maggiore de Bolonha, para onde o piloto foi levado de helicóptero, anunciou a morte cerebral de Ayrton Senna. Aos 34 anos, o piloto deixa o Brasil sem seu maior filho, tricampeão mundial de Fórmula 1, 41 vitórias em Grandes Prêmios, 65 pole-positions

ayrton-senna-03Foi o dia mais triste de todos, nosso ídolo estava indo embora, lá se iam as vitórias em todos os domingos pela manhã, acordar para ver Ayrton, mostrar sua genealidade, sua raça e ainda o respeito de todos que ali estavam, apesar das controversas dos rivais, Senna era exemplo a ser seguido nas pistas.

 O seu legado na Fórmula 1, começou no ano de 1.984, quando estreou pela equipe Toleman, terminou a temporada em nono lugar juntamente com Nigel Mansell com 13 pontos o campeão foi Nike Lauda com 72 pontos.

 

A sua estréia no Brasil, foi no Autódromo do Rio de Janeiro em Jacarepaguá.

Na Fórmula 1, Senna tem 41 vitórias, confira onde ele teve essa glória:

1985 – Portugal
1985 – Bélgica
1986 – Espanha
1986 –  Detroit
1987 – Mônaco
1987 – Detroit
1988 – San Marino
1988 – Canadá
1988 – Estados Unidos
1988 – Inglaterra
1988 – Alemanha
1988 – Hungria
1988 – Bélgica
1988 – Japão
1989 – San Marino
1989 – Mônaco
1989 – Mexico
1989 – Alemanha
1989 – Bélgica
1989 – Espanha
1990 – Estados Unidos
1990 – Mônaco
1990 – Canadá
1990 – Alemanha
1990 – Bélgica
1990 – Itália
1991 – Estados Unidos
1991 – Brasil
1991 – San Marino
1991 – Mônaco
1991 – Hungria
1991 – Bélgica
1991 – Austrália
1992 – Mônaco
1992 – Hungria
1992 – Itália
1993 – Brasil
1993 – Europa
1993 – Mônaco
1993 – Japão
1993 – Austrália

ayrton-senna-01
Os títulos vieram com desafios, brigas internas nas equipes contra companheiros que também queriam vencer, mas Ayrton era o nome da categoria, o cara a ser respeitado, tudo que ele falava era levado a sério pela FIA. Seu primeiro título veio em Suzuka, no Japão em 1.988, com um chassi e motor do MP4/4 e dois pilotos brigando pelo título Ayrton Senna e Alain Prost, um tinha estratégia e consistência o Francês, já o Brasileiro era impulsivo e corria pelas vitórias.

O bi-campeonato veio em 1.989, com muitos conflitos dentro da equipe McLaren e o título veio novamente em Suzuka no Japão.

O terceiro título de Ayrton Senna veio em 1.991, contra a poderosa Williams, mas a McLaren tinha o seu piloto diferenciado, outra vez título comemorado no Japão.

Senna e Brasil era uma química perfeita, mesmo com problemas que o país vivia, com crises econômicas e políticas, os brasileiros sempre se orgulhavam pelo ídolo que o tinham, pois levava a bandeira de seu país para todo o mundo.

Correndo em seu país, Senna venceu no dia 28 de março de 1993, e entrou para a história do automobilismo. A corrida naquele dia foi emocionante e dramática ao mesmo tempo, pois choveu muito e os concorrentes eram Alain Prost e Damon Hill, pela equipe Williams.

Senna usava naquele ano uma McLaren MP4-8 com motor Ford e muito melhor que o do ano anterior, que era da Honda.

Aquele GP do Brasil, marcou o primeiro de Rubens Barrichello correndo em casa, então pilotando a Jordan. Outro brasileiro no Grid foi Christian Fittipaldi que fazia seu segundo ano na categoria, pela Minardi.

A corrida foi tão espetacular, que a torcida no final da prova invadiu a pista, para comemorar com Ayrton Senna, coisa que hoje em dia vai ser muito difícil ver por qualquer canto do automobilismo mundial.

F1, GP do Brasil de 1993, Interlagos, final:

1 Ayrton SENNA BRA McLaren Ford 1:51:15.485 71 voltas
2 Damon HILL ING Williams Renault +16.625
3 Michael SCHUMACHER ALE Benetton Ford +45.436
4 Johnny HERBERT ING Lotus Ford +46.557
5 Mark BLUNDELL ING Ligier Renault +52.127
6 Alessandro ZANARDI ITA Lotus Ford +1 volta
7 Philippe ALLIOT FRA Larrouse Lamborghini +1 volta
8 Jean ALESI FRA Ferrari +1 volta
9 Derek WARWICK ING Footwork Mugen Honda +2 voltas
10 Erick COMAS FRA Larrouse Lamborghini +2 voltas
11 Michele ALBORETO ITA Lola Ferrari +3 voltas
12 Luca BADOER ITA Lola ferrari +3 voltas

Não completaram a prova:

Karl WENDLINGER AUT Sauber Mercedes 61 voltas
JJ LEHTO FIN Sauber Mercedes 51 voltas
Andrea DE CESARIS ITA Tyrrell Yamaha 48 voltas
Alain PROST FRA Williams Renault 29 voltas
Christian FITTIPALDI BRA Minardi Ford 28 voltas
Aguri SUZUKI JAP Footwork Mugen Honda 27 voltas
Ukyo KATAYAMA JAP Tyrrell Yamaha 26 voltas
Rubens BARRICHELLO BRA Jordan Hart 13 voltas
Riccardo PATRESE ITA Benetton Ford 3 voltas
Martin BRUNDLE ING Ligier Renault 0 voltas
Fabrizio BARBAZZA ITA Minardi Ford 0 voltas
Michael ANDRETTI EUA McLaren Ford 0 voltas
Gerhard BERGER AUT Ferrari 0 voltas

Depois de Ayrton a Fórmula 1, passou por várias mudanças, mas para os brasileiros, nunca mais o domingo de manhã foi o mesmo, e as lembrança das conquistas, dos duelos dentro e fora das pistas. Onde Ayrton estiver o Brasil sempre te lembrará pela forma e atitude que você levava o nome de nosso país para outros lugares. Hoje em dia o Brasil, não tem nenhum piloto na categoria, primeira vez nos últimos tempos.

Publicidade

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.