Quando desistir?

Um atleta se prepara com treinamento e planejamento para uma prova, ou seja seu objetivo e concluí-la, ter êxito.

Este fim de semana, fui participar da Indomit Pedra do Baú, uma prova trail muito conhecida e desejada pelos corredores de montanha. Foram 80 km com largada às 22 horas do dia 13.

A distância não me assustou, visto que já fiz mais de 200km algumas vezes. Correr de noite também foi ótimo, aliás a melhor parte da prova, o céu estava lindo e a temperatura caiu mas nada que um corta vento não ajudasse.

A dificuldade veio com a altimetria (elevação/ subida). Isso na montanha é diferente do que na estrada, muito mais agressivo. Eu já sabia que não seria competitiva nesta prova, mas tinha feito outros anos os 50km, então achei que estaria de bom tamanho para mim.

Corri a noite toda, revezando com marcha nas subidas, trote nas descidas e plano. Me alimentei nos postos de controle que durante o percurso nos ofereciam àgua, biscoitos, frutas, coca, isotônico, até açaí, um mimo e tanto!

Ao amanhecer do dia, com 40 km rodados, estava cansada, sem lesões ou cãibras, mas a mente estava esgotada, passei a pensar em desistir, questionando se era saudável, se valia a pena estar ali. Pensei, minha mente quer me sabotar, não vou deixar. Assim foram muitos quilômetros, pensando e debatendo comigo mesma, afinal não concluir seria uma derrota, um fracasso.

Quando cheguei no km 56, prestes a abandonar, um “staff” perguntou se eu estava lesionada e não, eu não estava, então continuei.

Ao chegar no próximo posto de controle, faltavam apenas 16 km para o término, neste momento a única vontade que tinha era de seguir em frente e terminar, não era a hora de desistir.

A corrida é um prazer para mim, algo que escolhi para completar minha vida, onde gasto energia e tempo tentando dar o meu melhor, até hoje tive sucesso contínuo, mesmo que tenha sofrido alguns perrengues pelo caminho. Um dia a hora de abandonar uma prova vai chegar, e não poderei deixar a vaidade e o orgulho me influenciarem, o medo da derrota pode nos levar a uma teimosia que não nos fará bem.

Quando desistir? Quando você tiver certeza de que os pontos negativos são maiores que os positivos, aí você terá maturidade para entender que a teimosia não pode vencer o bom senso.

Estela Vaz
Ultramaratonista amadora
2019 – finisher Badwater 135 – EUA
2019 – finisher BR 135 – Brasil
2018, 2017, 2016 – finisher UAI Ultramaratona dos Anjos Internacional – Brasil
Contato: estela-vaz@hotmail.com
instagram @vaz.estela

Publicidade

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.